Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Antigo, Motor a Combustão está Longe de Morrer

Antigo, Motor a Combustão está Longe de Morrer O carro desenvolvido por Karl Benz em 1886 foi o primeiro a levar motor a combustão interna

Gasolina cara, carros elétricos, regulamentações pesadas. O cenário do futuro do motor a combustão parece apocalíptico, mas uma olhada para o passado, o presente e o futuro desse tipo de propulsor revela que não é a primeira vez em que ele está ameaçado e que ainda há muita estrada por vir. A história da ascensão e queda do motor a combustão vai ganhar mais um capítulo: o renascimento.

A era do "quanto mais, melhor"

Em 1886, Karl Benz desenhou e produziu o primeiro veículo concebido para ser movido por um motor de combustão interna. O princípio era - e ainda é - simples: uma mistura de ar e combustível entra no bloco e vai para o cilindro, onde é comprimida e incendiada por uma centelha produzida pela vela. A explosão empurra o pistão para baixo e os gases resultantes saem, gerando o movimento que empurra o carro. Ainda hoje, é assim que a maioria dos veículos se locomove no planeta.

Naquela época, porém, o carro do futuro cofundador da Mercedes-Benz mal gerava 1 cv de potência com 954 cc de capacidade cúbica. "Por muito tempo, as montadoras não se preocuparam com eficiência. Quanto maior o motor, maior a potência", conta Lothar Werninghaus, consultor técnico da Audi do Brasil. Maior exemplo disso foram os mastodônticos V8 a gasolina feitos nos EUA entre as décadas de 1950 e 1970: motores 5.0, 6.0 e até 7.0 eram usados normalmente como veículos do dia-a-dia. Carros com motores de seis cilindros, naqueles tempos, eram modelos de entrada.

Petróleo caro e questão ambiental abriram caminho para o downsizing

O maior problema de querer resolver a falta de potência com propulsores maiores é que, na medida em que crescem, consomem mais combustível e agridem mais o meio ambiente, já que expelem gases nocivos resultantes da combustão.

Com as sucessivas crises do petróleo desde a década de 1970 e a preocupação com a questão ambiental, foram desenvolvidos motores menores e mais eficientes, que podiam produzir tanta força quanto os grandalhões do passado. É isso que define o conceito de downsizing "Há 20 anos, um V8 5.0 gerava cerca de 200 cv, hoje, pode-se tirar 520 cv de um V8 4.0", diz Werninghaus. Não se trata de feitiçaria, é apenas a tecnologia que evoluiu e permitiu o surgimento de um sistema muito usado atualmente.

Nele, o que vale é ter tanta ou mais potência que um motor grande, só que gerando menos consumo e emissões a partir de um bloco menor. Para isso, várias tecnologias são usadas: injeção eletrônica, mais válvulas por cilindro, injeção direta de combustível e comando variável, por exemplo.

A maior arma do downsizing, porém, é a sobrealimentação. Num motor movido a gasolina ou a etanol, o motorista controla apenas a quantidade de ar que vai se misturar com o combustível. Quanto mais ar entrar, mais força o propulsor pode gerar. Com o auxílio de turbinas ou compressores de ar, a quantidade de gases atmosféricos entrando no propulsor é maior. Basta olhar para o Audi A1 Sport, que consegue desenvolver 185 cv de potência a partir de um bloco 1.4 graças ao uso desses dois componentes. Com aspiração natural, um Chevrolet Agile 1.4 pode gerar até 102 cv.

Antigo inimigo, carro elétrico ainda não é viável

O carro movido a eletricidade é quase tão antigo quanto o movido por motor a combustão. No início do século XX, Ferdinand Porsche já havia construído o Lohner-Porsche, carro que contava com uma bateria integrada à estrutura e um motor elétrico em cada roda. Em 1910, os EUA contavam com nada menos que 15 marcas de carros elétricos.

Se esse tipo de energia é considerado mais limpo e prático que queimar combustível fóssil de poços subterrâneos, por que essa tecnologia não foi para frente? Quem responde é Ricardo Bock, professor do curso de engenharia da FEI: "Naquele tempo, a gasolina era barata e podia ser comprada até em farmácias, mas eletricidade ainda não era um item comum na maioria das cidades".

Outro empecilho ainda é o custo, já que a autonomia dos carros elétricos é limitada e a tecnologia de baterias é cara. Além disso, o material delas usa metais pesados de difícil descarte do ponto de vista ambiental.

A matriz energética de um país também pode tornar o carro elétrico em um ser tão nocivo quanto o veículo a combustão interna: "Não adianta usar carvão ou usinas nucleares para gerar energia para os carros elétricos", diz Bock.88

Desafios para o futuro

Apesar de os motores de combustão interna estarem caminhando em direção ao downsizing, ainda há o que ser melhorado. "Aumentar a eficiência de um motor o torna mais caro e menos durável. O ciclo de vida menor acaba gerando também um custo secundário à montadora, que arca com os gastos de garantia do veículo", relata Bock.

Segundo o professor da FEI, o principal fator que limita o desenvolvimento de um propulsor a combustão são os materiais empregados: "um motor eficiente transforma 30% da energia da queima em movimento, o resto se transforma em calor. Se o bloco puder resistir a uma temperatura maior, pode-se retirar mais desempenho dele".

Um item que já é desenvolvido pelas montadoras é o desligamento de parte dos cilindros quando eles não são exigidos. Lothar Werninghaus diz que "o desafio é fazer um sistema de desligamento parcial que mantenha as válvulas funcionando, se não, o motor vira um mero compressor de ar".

Um ponto em ambos os especialistas concordam é que o maior desafio para o futuro do motor de combustão interna, de fato, será o preço do combustível, seja ele fóssil ou renovável. Bock vai além e diz que "se o combustível for barato no futuro, toda essa história de carro elétrico será esquecida".


Grandalhões, modelos norteamericanos da década de 1970 tinham motores ineficientes


Audi A1 Sport é um exemplo de downsizing: 1.4 a gasolina gera 185 cv de potência


Lohner-Porsche já era elétrico no início do século XX


Fator crucial para o futuro do motor a combustão interna será o preço do combustível

Publicado em: 10/2/2013
Fonte: iCarros

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

833





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Chevrolet, Caravan, Comodoro, 1988, Cinza Ninbus
Fiat, 1.5 R, 1988, Vermelho
Ford, Belina, II, 1980, Amarelo Napoli
Volkswagen, Fuscão, 1500, 1972, Azul Diamante

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Logos dos Apoiadores