Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Saiba Mais sobre o Engesa EE-34

Saiba Mais sobre o Engesa EE-34

No meio militar, nenhum veículo é tão versá- til quanto uma VTNE (Viatura de Transporte Não Especializado), um 4x4 de 750 kg de carga para transporte de tropas, ambulância ou telecomunicações. No Brasil, os precursores foram os Dodge WC e M37, sucedidos pela Willys Pickup e Chevrolet C14/C15. Nos anos 80, o posto foi ocupado pelo Engesa EE-34, que fez carreira no Exército.

O EE-34 confunde-se com a história da própria Engesa (Engenheiros Especializados S/A), que até os anos 60 fazia peças de reposição para a Petrobras. Ao ver que os veículos da estatal atolavam a caminho dos poços de petróleo, a Engesa desenvolveu um kit de 4x4 simples e eficiente, a Tração Total. Ela foi um sucesso e estreitou os laços da Engesa com o governo militar. A GM também se interessou pela Tração Total e a homologou para seus utilitários, tornando-se o principal fornecedor de VTNE para as Forças Armadas, com as picapes Chevrolet C14/C15 com sistema 24 volts, cabine aberta e para-brisa basculante.

Sucesso entre civis e militares, a Tração Total ainda viraria kit para picapes usadas, com a transformação a cargo da Envemo (Engenharia de Veículos e Motores Ltda.), do empresário Angelo Gonçalves. Em 1981 Angelo apresentou sua própria VTNE, ainda mais robusta e valente: o EE- 34. Baseado nas C14/C15, o estilo era inspirado em utilitários militares americanos, como o Kaiser Jeep M715. A carroceria era da Envemo, mas o resto vinha de outros fabricantes nacionais: o motor Perkins 4236 formava um conjunto elogiado com o câmbio Clark 240V de cinco marchas, autonomia de 600 km e máxima de 100 km/h.

Mas sua principal evolução era a quase indestrutível caixa de transferência Engesa de duas velocidades, originalmente dos caminhões EE-15/EE-25, com peso bruto superior a 6 toneladas. Ela foi adotada para eliminar a principal limitação técnica do antigo Sistema Tração Total: a ausência da reduzida.

Rústico e espartano, o interior suportava bem as intempéries, com bancos revestidos de vinil e painel que só tinha o essencial: velocímetro, hodômetro, marcador de combustível, termômetro e luzes- espia. No assoalho, três alavancas: câmbio, tração 4x4 e reduzida. Os freios eram a tambor nas quatro rodas.

No total foram feitos 472 EE-34, 86 sob a batuta da Envemo (1981 a 1985), e 386 pela Engesa (1983 a 1985). A Engesa desenvolveu ainda uma segunda geração em 1989, baseada na Chevrolet D20. Os EE-34 caíram em mãos civis à medida que foram trocados no Exército pelos JPX Montez, Toyota Bandeirante e Land Rover Defender. O exemplar das fotos, do dentista Fábio Bellucci Leite, foi fabricado em 1983 e hoje participa só de exposições e desfiles cívicos: "É muito legal ver a curiosidade que ele desperta, já que são poucos os que conhecem sua história".

Ao fim da produção do EE-34, a Engesa estava em situação financeira delicada, resultado de má administração e fatores externos, como a queda mundial na demanda por veículos militares. O fomento à indústria de defesa já não era prioridade do governo e a empresa não conseguiu se adaptar ao mercado civil, como Embraer e Avibrás. A falência veio em 1993, representando o fim da empresa que figurou entre as cinco maiores fabricantes de material bélico do mundo.

Publicado em: 26/12/2012
Fonte: Quatro Rodas

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

807





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Chevrolet, Monza, SLE Sedan, 1986, Cinza
Mercedes Benz, 560 Sl, 1988, Vermelha
Chevrolet, Camaro, RS 1972, 1972, Negro Y Amarillo
Ford, Escort, Gl, 1988, Vermelha

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Logos dos Apoiadores