Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Land Rover aproveita evento para mostrar seus Rovelhinho

Land Rover aproveita evento para mostrar seus RovelhinhoQuem vive de passado, como diz o ditado, é museu, mas não só. Há empresas que não só conseguem sobreviver com base em um passado glorioso como também criam seus novos produtos de modo a não desonrar os veículos que já produziu. Uma dessas empresas é a Land Rover. Não satisfeita em saber disso, ela resolveu mostrar como isso acontece aos jornalistas especializados que convidou para o lançamento mundial do Discovery 4. Deu ao grupo a chance de dirigir veículos importantíssimos de sua história.

O primeiro deles era o Série 1, de 1948, modelo que deu origem ao que hoje conhecemos como Defender. Não é preciso nenhum esforço para perceber como as linhas do primeiro veículo da marca continuam no modelo atual, mas há outras semelhanças dignas de nota.

Talvez a mais significativa entre todas seja a posição de dirigir. Ruim, quase pior que a do modelo atual. Com 1,85 m, dirigi com as pernas encolhidas e mal apoiado no banco que, de encosto, tem apenas uma chapa, como os bancos de metal que existem nos bares. De todo modo, dirigir do lado direito é bem melhor do que ter o volante à esquerda em um Defender atual. O Série 1 podia ser ligado tanto com partida elétrica quanto com manivela, uma exigência do Exército britânico. O motor, pequenino, era um quatro cilindros de 1,6-litro e 50 cv.

Apesar de parecer pequeno, o motorzinho levava o carro muito bem. Ele era leve, com carroceria de alumínio, ainda que boa parte de sua estrutura fosse feita em aço (o chassi e a coluna A, por exemplo). Só assim para os freios a tambor darem conta de parar o utilitário.

Ele também trazia, desde o início, tudo que fez dele um mito no fora-de-estrada: tração integral permanente e marcha reduzida. O câmbio, de quatro marchas, não era sincronizado, o que aumenta o risco de “raspar” as marchas na hora da troca. Por sorte, não maltratamos o Série 1 1949 que tivemos a sorte de dirigir.

O Série 3, muito parecido com o atual Defender, não chegou a despertar nossa curiosidade, mas aqueles que o dirigiram disseram que o volante pesado devia ser um martírio nas estradas.

Land RoverInteressante, mesmo, era o 101, um veículo produzido sob encomenda do Exército britânico pela Land Rover. Lembrando bastante um Unimog ou um Gurgel G15 com rodas grandes, o 101 foi fabricado nos anos 1970. O que avaliamos também podia ser ligado por partida elétrica ou manivela e tinha um câmbio bastante exótico, com alavanca semelhante à de um freio de mão, jogada para a frente.

A história do veículo também chama a atenção. Apesar de encomendá-los, o Exército britânico não utilizou todos. O que hoje pertence à Land Rover rodou apenas 500 milhas (cerca de 800 km) antes de ser vendido a um colecionador norte-americano. Desanimado com os custos do transporte, ele colocou o veículo à venda novamente e a Land Rover, mais do que depressa, o adicionou a seu acervo.

Land Rover O veículo que mais nos surpreendeu foi, curiosamente, o mais moderno do acervo. Trata-se de um Land Rover Range Rover 1993 com motor V8 de 3,9 litros (o mesmo que equipa o 101). Foi com ele que descobrimos que os instrutores que nos acompanharam no passeio eram, na verdade, os criadores do carro, aposentados, já, mas ainda ligados de modo quase umbilical à marca.

Foi uma satisfação poder dar àqueles homens os parabéns por um veículo tão bem acertado. Utilitário, sim, mas gostoso de dirigir, inclusive em curvas, por ter um centro de gravidade e uma posição de condução baixos. Com um motor pronto a responder em qualquer situação e um nível de luxo que, para a época, era acima da média. O Range Rover foi o primeiro com motor V8 (todo de alumínio, herdado dos Buick) e freios a disco nas quatro rodas.

Land Rover Um deles merece menção especial. Rob (não chegamos a perguntar seu sobrenome), um dos engenheiros, conseguiu salvar um dos modelos pré-série da marca (de chassi número 11) e o transformou em seu carro de uso diário. É o Land Rover vermelho das imagens ao lado. Os amigos pediam para que tirássemos um sarro com o velho engenheiro porque, no lugar do motor V8 a gasolina, ele colocou um modesto 2-litros a diesel. Em suma, não anda nada, mas também não gasta combustível.

Torcemos para que os novos engenheiros da marca tentem repetir, na próxima geração do Range Rover, o mesmo brilho que o pioneiro apresentava, assim como o mesmo nível de inovações. Referências para voltarem a se destacar eles têm de sobra.
Publicado em: 9/9/2009
Fonte: Webmotors.com.br

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

46





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Volkswagen, 1600, Primeira Versão, 1969, Bege
Chevrolet, Monza, SLE Sedan, 1986, Cinza
Mercedes Benz, 560 Sl, 1988, Vermelha
Chevrolet, Camaro, RS 1972, 1972, Negro Y Amarillo

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Logos dos Apoiadores