Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Graham Paige - Primeiro Luxo da Série

Graham Paige - Primeiro Luxo da Série

Para ter um automóvel de luxo na garagem, em 1927, era preciso contar com uma consultoria especializada para reunir o melhor conjunto que resultasse em desempenho e beleza sobre rodas.

A Graham Paige era uma dessas montadoras que o tempo praticamente apagou. Mas o modelo 1927, por exemplo, marca o fim da era dos carros de luxo sob encomenda e inaugura o tempo em que eles já podiam ser adquiridos à pronta entrega na concessionária.


À pronta entrega

Os jornais norte-americanos de 1927 traziam um encarte que mostrava um carro interessante de uma marca já conhecida entre os endinheirados: a Graham Paige mostrava o modelo 162, de tamanho médio, acabamento de luxo e bom conjunto mecânico.

O grande diferencial é que o Graham Paige era o primeiro luxuoso produzido em série. Antes dele, era preciso comprar um conjunto motor, carroceria, e finalizar com itens de acabamento e segurança ao gosto do proprietário. Isso envolvia diversas empresas como encarroçadora, mecânica, vidraçaria, marcenaria e por isso, o processo de compra do novo veículo levava vários meses.

O Graham Paige 162, que marcou essa mudança, tinha motor seis cilindros em linha Dodge, que desenvolvia 65 cv de potência máxima. Interessante era o câmbio de quatro velocidades, com duas marchas para velocidades mais altas, o que ajudava a tirar o máximo proveito do motor pequeno para a época.

Para melhorar seu desempenho e durabilidade, o motor tinha diferenciais como pistões de alumínio, lubrificação forçada e filtrada, bomba de combustível mecânica e um sistema de suspensão mais macio. O estilo era bastante semelhante ao das marcas tradicionais e também de suas rivais do segmento de luxo como a Franklin, Hupmobile, Auburn entre outras.

Graham PaigeEm termos de conforto, o carro tinha janelas basculantes, sendo que o pára-brisa contava com um mecanismo de abertura que facilitava a ventilação. A trava das portas tinha um pino que avançava para frente, ao destravar. O painel contava com poucos mostradores, e nada além do essencial como velocímetro e marcador de combustível.

“Suavidade, com rápidas respostas, o Graham Paige arranca com rapidez no trânsito. A quarta marcha revela um rodar macio e silencioso”, dizia a propaganda.

Além do modelo Tudor 162 (forma mais simples para dizer two doors, duas portas, em inglês) de seis cilindros, também estava disponível a limusine com motor de oito cilindros em linha. Porém seu acabamento e carroceria poderiam ser modificados, num amplo leque de opções. Havia também duas configurações cupê de dois lugares, que também recebiam customização. Os preços variavam entre US$ 860 e US$ 2.485.

1927: ano marcante para a Graham Paige

O ano de 1927 não foi marcante apenas pelo lançamento da linha luxuosa produzida em série. A Graham era uma aventura familiar no segmento automotivo, já que a empresa começou dedicada a produção de artefatos de vidro no início do século XX.

Seus proprietários, Joseph, Robert e Ray Graham se aventuravam em modificar modelos Ford T em caminhões e outros veículos de carga. A pequena empresa prosperou desde a cidade de Evansville, Indiana, quando os irmãos partiram para construir duas fábricas, uma em Detroit, já consolidada como o santuário do setor automotivo, e outra em Stockton, Califórnia, para atender o mercado do sul dos Estados Unidos. Na época, a Graham usava os motores Dodge, Continental e Weideley em seus veículos. Na prática, a Dodge tratava a Graham como uma subsidiária, e esta era a intenção da marca; dar suporte e estudar uma fusão, no futuro.

Em 1927 os irmãos Graham decidiram se consolidar e quebrar o vínculo com a Dodge. Compraram a Paige Detroit Motor Company e a Jewett Automobiles de uma só vez, por US$ 4 milhões. Apesar de continuarem comprando os motores Dodge, duráveis e robustos, já não estavam mais vinculados à marca como antes, e passaram a vender seus modelos em uma rede de concessionários própria.

Salão de Nova York revelou a marca

Graham PaigeTodos os fabricantes da época não contavam com a astúcia dos irmãos Graham, que roubaram a cena no New Work Automobile Show, realizado no Hotel Roosevelt em janeiro de 1928.

O estande da marca era decorado com motivos medievais, e todos os vendedores, engenheiros e profissionais da marca vestiam roupas diferenciadas em tons de vermelho com o logotipo da legião Graham, o escudo da família. Essa jogada de marketing, que procurava associar a nova marca à tradição, diferenciou a Graham Paige de seus concorrentes, que tinham estandes comuns, decorados com cortinas e com uma equipe vestida no estilo sóbrio da época; terno, colete e chapéu.

Após o evento, os concessionários da marca inovaram ao mostrar os carros desmontados no showroom e também detalhar as inovações mecânicas, estratégia ainda não usada pelas outras marcas. A intenção era mostrar a qualidade da construção, as inovações em termos mecânicos e como o carro oferecia o melhor conjunto em relação aos seus concorrentes.

A estratégia deu certo. Se em 1927, ano em que incorporou a Paige e Jewett, a Graham Paige vendeu 21.881 automóveis, no ano seguinte, após o Salão de Nova York, as vendas pularam para mais de 73 mil unidades. Uma jogada inteligente, mas que o passado apagou, como o brilho dos veículos Graham Paige.

Publicado em: 3/12/2010
Fonte: Webmotors.com.br

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

43





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Volkswagen, Brasilia, 1600, 1974, Marrom Caravela
Volkswagen, Fusca, 1974, Preta
Chevrolet, Opala, Comodoro, 1985, Branca
Volkswagen, Brasília, Luxo, 1978, Caramelo

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Logos dos Apoiadores