Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Diretor restaura a série Vigilante Rodoviário

Diretor restaura a série Vigilante Rodoviário

O ator Carlos Miranda em sua Harley com Lobo, no seriado "Vigilante Rodoviário"

"De noite ou de dia, firme no volante, vai pela rodovia bravo vigilante." A música marcava o início de "O Vigilante Rodoviário", em março de 1961.

Também sinalizava o começo da produção nacional. Quase não havia telenovelas. A programação se baseava em enlatados, programas de auditório e de perguntas e respostas.

"Foi sofrido demais ser o pioneiro, fazer as pessoas acreditarem que ia dar certo", conta o diretor Ary Fernandes, que convenceu a patrocinadora Nestlé. O ator Carlos Miranda, 76, faz coro: "A maior dificuldade era não ter parâmetros".

E foi "fazendo um monte de besteiras" que Fernandes e o produtor Alfredo Palácios se "aventuraram" nos seriados. "Fomos motivo de piada por querermos criar um herói brasileiro. O pessoal debochava que ia virar um malandro", conta ele, aos 78 anos.

A ideia de defender a cultura nacional estava em sua cabeça desde criança, quando assistia a "Lanceiros de Bengala" e "Rin-Tin-Tin". "Achava estranho não ter nenhum nome brasileiro no elenco." A intenção aflorou após deslanchar a carreira.

O seriado, que no início se chamava "O Patrulheiro", chegou a estar presente em 80% das casas. "Era uma loucura. Todo mundo assistia. Naquela época, era tudo ou nada."

Daí o susto quando a concorrente Toddy lançou "Patrulheiros Toddy", imitando o nome do seriado. Fernandes pensou em processar a empresa, mas o patrocinador disse para trocar para "Vigilante" e "que o melhor ficaria no ar". "Até me deu dor de barriga. Mas vencemos."

Uma dificuldade superada entre outras tantas técnicas e financeiras. A viatura-símbolo da série, o Simca-Chambord 1959, era emprestada pela montadora. Nem havia instrutor para o cachorro Lobo. "Mas tudo bem, ele nasceu inteligente. Foi o maior ator da série e inclusive supria as falhas de alguns atores", exagera Miranda.

Um Carlos para o Carlos

O roteiro estava já delineado, mas o diretor não conseguia achar alguém para o inspetor Carlos. "Fizemos 60 testes."

Naquela época, Miranda era recém-formado e trabalhava de assistente de produção. "Como o cinema estava em crise, cozinhei muita macarronada para alimentar o pessoal desempregado", conta Fernandes.

Foi a mulher do diretor que teve a ideia de testar Miranda. "Quando vi ele fardado, terminei a busca. O nome igual foi apenas uma coincidência."

Ao final do programa, em 1962, o ator ingressou na Polícia Rodoviária, entrando no "Guinness" por ser o primeiro personagem a virar realidade. "O convívio foi tão intenso que resolvi virar policial. Me aposentei como tenente-coronel."

A caixa, com quatro DVDs, reúne 35 dos 38 episódios - três não puderam ser recuperados. Com narrativa simples, pouca violência e ingenuidade - crianças desarmam um bandido, o policial se defende com socos e pontapés - a série se mantém no ar no Canal Brasil, às segundas (20h30), terças (15h30) e domingos (11h).

Publicado em: 10/1/2010
Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

188





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Volkswagen, Brasilia, 1600, 1974, Marrom Caravela
Volkswagen, Fusca, 1974, Preta
Chevrolet, Opala, Comodoro, 1985, Branca
Volkswagen, Brasília, Luxo, 1978, Caramelo

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Logos dos Apoiadores